Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso

Concurso Literário Escolar António Celestino com prémios entregues
publicado a 14 de Maio de 2018

Cerca de 106 crianças, a frequentar os dois Agrupamentos de Escolas do Concelho da Póvoa de Lanhoso, participaram no Concurso Literário Escolar António Celestino, referente ao presente ano letivo.

Criar e consolidar hábitos de leitura, fortalecer práticas de escrita criativa e valorizar a expressão literária são os objetivos desta iniciativa, que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promove e organiza, numa parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares.

Instituído há alguns anos pelo Município da Póvoa de Lanhoso, o Concurso Literário Escolar António Celestino é uma justa homenagem a um artista das letras das Terras de Lanhoso, António Simões Celestino da Silva, poeta, escritor e amante das artes, falecido em 2013.  

Na noite de 27 de abril, decorreu no fórum dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso a cerimónia de entrega de prémios aos alunos e alunas participantes provenientes do Agrupamento de Escolas de Póvoa de Lanhoso e do Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio.

Este Concurso Literário abrange quatro categorias: Secundário, 3º Ciclo, 2º Ciclo e 1º Ciclo.

O primeiro prémio da categoria Secundário foi atribuído ao trabalho “O Nosso conto de fadas” da autoria de Cândida Nunes (Pseudónimo). O segundo prémio foi atribuído ao texto “Saudades de quem não volta” assinado por A rapariga do sorriso nos olhos. O texto “Desafios da vida” de Minerva obteve o terceiro lugar.

Na categoria do 3º Ciclo, o primeiro prémio foi atribuído ao texto “Felicidade Exibida” da autoria de Afonso vale de urtigas. O segundo prémio foi para “Dia do Funeral” de Orquídea. O terceiro prémio foi para “Os Livros” de Manuela Andrade Vieira. “A Porta” de Maria Almeida conseguiu uma menção honrosa.

“Maria” de Ermelinda Silva obteve o primeiro lugar na categoria de 2º Ciclo. “Um Mundo em Tons de Cinza” de Bina Mar obteve o segundo posto. “Um pedacinho de Mim” de Filferper conseguiu o terceiro lugar.

No 1º Ciclo, o primeiro prémio coube ao texto “A Doença Incompreensível” assinado por Mary Gonçalves. O segundo lugar foi atribuído ao texto “O Tablet da minha avó” da autoria de Lousa. O terceiro prémio nesta categoria foi para Rita Castelo que escreveu “Nós fazemos floresta”. Houve ainda uma menção honrosa para o texto “A União na Floresta” de Pena Azul.

Os nomes dos/as jovens autores/as aqui apresentados/as referem-se a pseudónimos.