Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso

Criações da II Residência Artística de Ecoarte convidam a uma visita
publicado a 2 de Julho de 2018

De 18 a 22 de junho, o parque do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos acolheu a segunda edição da Residência Artística de Ecoarte e o balanço é francamente positivo. “Superámos o sucesso alcançado na primeira edição”, acredita o Vereador do Ambiente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

Os criadores partiram, mas os trabalhos, dez, ficaram e podem agora ser apreciados por toda a comunidade. Há a mulher do Minho, a minhota; há um cavalo garrano que parece andar por ali; enfim, há um conjunto de criações que vale a pena conhecer. “Visitar, neste momento, o Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos é entrar num espaço onde a natureza e a arte se fundem e as relações humanas com o ambiente têm um lugar especial”, considera o referido Vereador. “Deixo assim o convite para se deslocarem ao centenário Carvalho de Calvos e, em comunhão com a natureza, contemplarem as criações aqui patentes”, refere ainda o mesmo responsável.

Valorizar e levar à preservação do Carvalho de Calvos foi um dos objetivos. “Apelando para a consciência ambiental, em que todas as obras exibidas foram construídas a partir de recursos naturais, a II residência artística Ecoarte contou com a participação de artistas nacionais e internacionais, mas queremos destacar a participação de artistas locais, Rosa Simões, Anabela Fernandes e Nigel Cave, que corresponderam muito bem a este desafio e que engrandeceram o resultado final”, salienta André Rodrigues. O repto foi a criação de instalações artísticas a partir de materiais orgânicos fornecidos pelo Município, num ambiente de tranquilidade e inspiração para a criação artística.

Para além dos já referidos artistas locais, participaram ainda Joana Fernandes, Ana Brandão, Maria Domingues, Aleksandra Rankovic da Sérvia; Milita Marinho de Espanha, Serena Barbieri de Itália; e Gustavo Romeiro do Brasil. O Laboratório da Paisagem (Guimarães) foi entidade parceria do Municipio Povoense nesta iniciativa.

Classificado como Árvore de Interesse Público em 1997, o Carvalho de Calvos, da espécie Quercus robur L, é, provavelmente o maior carvalho do país, apresentando um perímetro do tronco na sua base de 12 metros, uma copa com o diâmetro de cerca de 40 metros e uma altura aproximada de 30 metros.

Estima-se a sua idade em cerca de 500 anos, o que fará dele o Carvalho mais antigo da Península Ibérica e o segundo mais antigo da Europa.